TESTE DE HPV - RASTREIO DO CARCINOMA DO COLO DO ÚTERO

HPV e Carcinoma do Colo do Útero O Papiloma Vírus Humano (HPV) é responsável por mais de 99% dos carcinomas do colo do útero (CCU) - a segunda causa de morte por cancro, no mundo, nas mulheres com menos de 44 anos.

 Sendo o HPV um vírus facilmente transmitido através de contacto sexual, estima-se que 80% das mulheres (e homens) serão infectadas pelo HPV durante a sua vida. Na maioria dos casos, as infecções são transitórias e são eliminadas naturalmente pelas defesas do organismo ao fim de 1-2 anos.

 Em 10-20% das mulheres a infecção por HPV pode persistir por vários anos e progredir para o desenvolvimento de lesões intraepiteliais pré-malígnas (in situ) que, se não forem diagnosticadas e tratadas em tempo útil, podem progredir para carcinoma invasivo.

 Dos 40 genótipos de HPV que infectam a mucosa anogenital, apenas alguns genótipos estão associados a carcinoma do colo do útero e a lesões intraepiteliais pré-malígnas , designando-se por HPV de alto risco.

 Os genótipos HPV-16 e HPV-18 conferem o risco absoluto mais elevado de progressão.

Rastreio do Carcinoma do Colo do Útero

 A citologia cervico-vaginal é o método de referência para o rastreio do cancro do colo do útero, desde há mais de 50 anos, através da realização de esfregaços ginecológicos corados pelo método de Papanicolau.

 Mais recentemente, desenvolveram-se técnicas de citologia em camada fina, que trouxeram mais qualidade e segurança ao diagnóstico citológico.

 A realização regular da citologia permite detectar precocemente as lesões intraepiteliais pré-malígnas, controlar o seu desenvolvimento e reduzir a probabilidade de progredirem para carcinoma invasivo.

 Apesar da eficácia da citologia cervico-vaginal na redução da incidência e mortalidade devidas ao carcinoma do colo do útero em países com rastreio citológico organizado, a sensibilidade da citologia é pequena e muito variável, entre 50 a 80% consoante as séries.

Teste HPV

 A implementação de novas técnicas laboratoriais que permitem detectar a presença do HPV, através da pesquisa do seu ADN, revelou ser uma ferramenta importante no rastreio do carcinoma do colo do útero.

O uso do teste de HPV para detecção de DNA de HPV de alto risco, como método primário de rastreio, demonstrou em diversos estudos prospectivos randomizados uma eficácia superior à citologia cervico-vaginal na prevenção de carcinoma invasivo, apresentando um valor predictivo negativo próximo dos 100%.

Segundo as recomendações europeias e da Sociedade Portuguesa de Ginecologia o teste de HPV de alto risco (com citologia reflexa nos HPV positivos) é o teste recomendado no rastreio primário do carcinoma do colo do útero nas mulheres com mais de 30 anos, permitindo alargar o período de rastreio para 5 anos, nas mulheres com teste HPV negativo.

Referências Bibliográficas:

ICO Information Centre on HPV and Cancer (HPV Information Centre). Human Papillomavirus  and related diseases in Portugal. Summary Report  2015. www.hpvcentre.net

Liga Portuguesa Contra o Cancro. Cancro do Colo do Útero.www.ligacontracancro.pt

Ronco G et al. Efficacy of HPV-based screening for prevention of invasive cervical cancer: follow-up of four European randomized controlled trials. Lancet 2014; 383(9916):524-32.

Arbyn M et al. European Guidelines for Quality Assurance in Cervical Cancer Screening, second edition. European Commission. Office for Official Pulications of the European Communities, Luxembourg, 2008.

L. von Karsa et al. European Guidelines for Quality Assurance in Cervical Cancer Screening. Summary of the supplements on HPV screening and vaccination. Papillomavirus Research.  Available online 30 June 2015 (in press).

Sociedade Portuguesa de Ginecologia. Consenso sobre Infecção HPV e Lesões intraepiteliais do Colo, Vagina e Vulva. 2014.www.spginecologia.pt